Eu não estou neste mundo para viver as suas expectativas.
E você não está neste mundo para viver as minhas.
Você é você, e eu sou eu,
E, se por acaso, nós nos encontrarmos, será ótimo.
Se não, nada se pode fazer. [Pearls]

É importante este desprendimento...isso é liberdade, amor, verdade....
muito além da nossa compreensão, e das nossas possibilidades mortais...
É importante o ato de sabermos que só estamos junto de algo
ou de alguém por que de fato queremos estar...
É importante saber que somos livres para ir e vir...

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Por que Umbanda?

Porque aos que se aproximam dela não se os olha
para saber qual é a sua cor.
Nem se lhes pergunta se são ricos ou são pobres,
se são cultos o se são analfabetos.
Nem a que religião pertencem ou se não tem nenhuma.
O único que interessa é saber se sofrem,
porque o sofrimento não reconhece cor,
religião nem estado social.
Porque Umbanda é fraternidade, é caridade...
Porque as entidades de luz que se apresentam
baixo a roupagem de Crianças, Caboclos, Pais Velhos
e Exús sendo tão elevados espiritualmente, falam-nos
simples e em forma acessível para que todos possamos
entender e nunca deixam de aclarar dúvidas nossas,
nem de ajudar-nos em todo o que necessitamos,
procurando, de acordo a nossos merecimentos,
fazer-nos alcançar nossos desejos ou necessidades.
E fazer-nos entender que nosso caminho povoado de
sofrimentos só será completado quando através
do amor a caridade e a fraternidade despojemo-nos
do orgulho, a vaidade e o egoísmo, que são a marca
registrada do nosso mundo e que nos impedem
de alcançar um lugar mais próximo a Deus.

Por que Umbanda?

Boa pergunta.

Existem infinidade de respostas.

Mas cada um deve busca-las no mais profundo do seu ser,
através da razão e dos sentimentos.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Fluindo


Quando eu digo "transforme-se em água", quero dizer
"transforme-se num fluxo" - não fique estagnado.
Mova-se, e mova-se como a água.
Lao Tzu diz:
A maneira de ser do Tao é igual à de um curso d`água.
Movimenta-se como a água.
E como é o movimento da água? Ou um rio?
Esse movimento tem algumas coisas belas em si.
Uma delas é que a água se desloca sempre em direção
à profundeza, sempre procura o terreno mais baixo.
A água não tem ambição, nunca briga por ser

a primeira: ela quer ser a última.
Lembre-se de que Jesus disse:
"Os últimos serão os primeiros no meu reino de Deus".
Ele estava falando sobre essa maneira de ser do rio, do Tao
- sem mencioná-la, mas falando a respeito dela.
Quanto a você, seja o último, seja sem ambição.
Ambição significa subir morro acima.
A água vai para baixo, procura o terreno mais baixo,
quer ser uma não-entidade.
Não quer proclamar-se especial, excepcional, extraordinária.
A água não tem qualquer noção de ego.

A figura desta carta está completamente relaxada
e à vontade na água, deixando a correnteza

levá-la aonde queira.
É alguém que dominou a arte de ser passivo e receptivo,
sem sentir-se enfadado ou sonolento.
Apenas está disponível ao rio da vida, sem ter nunca
um pensamento do tipo "Eu não gosto disto aqui", ou
"Eu prefiro ir em outra direção".
A cada momento na vida temos a opção de entrar
na correnteza e boiar, ou de tentar nadar rio acima.
Quando esta carta aparece em uma leitura, é uma
indicação de que agora você está preparado para flutuar,
confiante em que a vida o apoiará no seu relaxamento,
e irá levá-lo exatamente aonde ela quer que você vá.
Deixe que esse sentimento de confiança e relaxamento
cresça cada vez mais; tudo está acontecendo
exatamente como deveria.

Além da Ganância - Uma parábola da ambição e da pressa

Sempre que as pessoas se tornam gananciosas,
elas ficam bem apressadas, e tentam encontrar
meios de ir mais rápido.
Estão sempre correndo pois acreditam que a vida
está se esgotando.

São essas as pessoas que dizem, "tempo é dinheiro."
Tempo é dinheiro? Dinheiro é muito limitado;
o tempo é ilimitado.
Tempo não é dinheiro, tempo é a eternidade.
Sempre foi e sempre será.
E você sempre esteve aqui e sempre estará aqui.
Então abandone a ambição e
não se incomode com o resultado.
Às vezes acontece que, devido a sua impaciência,
você perde muitas coisas.

O homem fica completo se estiver em sintonia
com o universo; caso contrário estará vazio,
completamente vazio.
E dessa vacuidade procede a ganância.
A ganância serve para preencher esse vazio – com dinheiro,
com casas, com mobília, com amigos, com amantes,
com qualquer coisa – pois ninguém pode viver vazio.
Isso é horrível, é uma vida fantasma.
Se você estiver vazio e nada houver dentro de você,
fica impossível viver.
Para ter a sensação de plenitude, só há dois caminhos;
ou você entra em sintonia com o universo...
Assim você fica preenchido pelo todo, com todas as flores
e estrelas.
Elas estão dentro de você assim como estão fora de você.
Essa é a verdadeira plenitude.
Mas se não fizer isso – e milhões de pessoas não estão
fazendo isso – então o mais fácil é preencher o vazio
com qualquer porcaria.
Ambição simplesmente significa que você está sentindo
um vazio profundo e você quer preenchê-lo com o que
for possível, não importa o que seja.
E uma vez que você compreende isso, então você nada mais
tem a ver com a ambição.
Você tem algo a ver com vir para uma comunhão

com o todo, assim a vacuidade interior desaparece.
E com isso, toda ganância desaparece.
Mas há pessoas loucas por todo o mundo, e elas estão
colecionando coisas para preencher a vacuidade delas.
Há quem esteja acumulando dinheiro embora nunca o utilize.
Há os que comem compulsivamente; e ainda que não
sintam fome continuam a engolir.
Sabem que isso irá criar sofrimento, que ficarão doentes,
mas não conseguem parar.
Essa comilança também é uma forma de preenchimento.
Portanto, pode haver muitas maneiras de preencher o vazio,
embora este nunca seja preenchido – permanece vazio,
e você permanece miserável, pois nunca há o bastante.
Mais é necessário, e esse mais e a exigência por mais
é infinita.
Você precisa entender a vacuidade que você está tentando
preencher, e faça a pergunta, “Porque estou vazio?
A existência é tão plena, porque me sinto vazio?
Talvez tenha perdido o rumo – não esteja mais movendo-me
na mesma direção, não seja mais existencial.
Essa é a causa da minha vacuidade.
Então siga a existência.
Relaxe, e aproxime-se da existência em silêncio e paz,
em meditação.
E um dia você irá perceber que estará pleno – abundante,
transbordante – de alegria, de êxtase, de bem-aventurança.
Você estará tão pleno desses sentimentos que poderá
distribuí-los para o mundo inteiro e ainda assim
não se sentirá cansado.
Nesse dia, pela primeira vez você não terá qualquer
ambição – por dinheiro, por comida, ou por qualquer
outra coisa.
Você viverá naturalmente,
e encontrará tudo que você precisar.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Curando


Você é quem carrega a sua chaga.
Enquanto existir o ego, o seu ser como um todo
será uma ferida.
E você irá carregá-la por aí.
Ninguém está interessado em feri-lo, ninguém está de fato
esperando para machucá-lo; todos estão ocupados em
proteger os seus próprios ferimentos.
Quem teria tanta energia para ainda querer atingi-lo?
Mas, ainda assim, acontece, porque você está demasiado
pronto para ser atingido, demasiado pronto, apenas
na expectativa de que alguma coisa aconteça.
É impossível atingir um homem do Tao. Por quê?
Porque não existe ninguém ali para ser atingido.
Não há nenhuma ferida.
Ele é saudável, curado, pleno.
A palavra ´pleno´ é bonita. Em inglês, a palavra ´curar´
[to heal] vem de ´pleno´ [whole], e a palavra
´sagrado´ [holy] tem também a mesma origem.
O homem de Tao é inteiro, curado, sagrado.
Tenha consciência da sua ferida.
Não deixe que piore: cure-a; e ela só será curada quando
você se deslocar para baixo, para as raízes.
Quanto menos estiver presente a cabeça,
tanto mais facilmente a ferida será curada;
não existindo a cabeça, não existe a ferida.
Viva uma vida sem cabeça.
Mova-se como um ser pleno, e aceite as coisas.
Tente isso, apenas por vinte e quatro horas:
aceitação total, aconteça o que acontecer.
Se alguém o insultar, aceite a ofensa, não reaja,
e veja o que acontece.
De repente, você sentirá fluindo em você,
uma energia nunca antes percebida.

Este é um tempo em que as feridas do passado
profundamente enterradas afloram para ser curadas.
A figura desta carta apresenta-se nua, vulnerável,
receptiva para o toque amoroso da existência.
A aura que lhe envolve o corpo está cheia de luz,
e o clima à sua volta, de relaxamento, cuidado e de amor,
está dissolvendo sua tensão e sofrimento.
Vários lótus de luz aparecem sobre o seu corpo físico,
e por todos os corpos de energia sutil, que os que curam
dizem existir em torno de cada um de nós.
Em cada uma dessas camadas sutis aparece um cristal
ou modelo de cura.
Quando nos encontramos sob a influência de cura
do Rei da Água, já não estamos mais nos escondendo
de nós mesmos, nem dos outros.
Nessa atitude de abertura e de aceitação poderemos
ser curados, e ajudar outros a serem também saudáveis
e inteiros.

Gratidão


A partir do momento em que uma pessoa é capaz
de ser grata tanto pelo sofrimento quanto pelo prazer,
sem qualquer distinção, sem nenhuma escolha,
apenas sendo grato por aquilo que lhe é dado...
Porque se foi dado por Deus,

deve haver uma razão para isso.
Podemos gostar ou podemos não gostar, mas isso
deve ser necessário para o nosso crescimento.
Inverno e verão são ambos necessários para o crescimento.
Uma vez que essa idéia se fundamenta no coração, então

cada momento de vida é um momento de gratidão.
Deixe que isso se torne sua meditação e sua oração:
Agradeça a Deus por cada momento:
pelos risos, pelas lágrimas, por tudo.
Assim você verá surgir um silêncio
em seu coração que você não conhecia antes.
Isso é o êxtase.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Como se livrar de pessoas maléficas e de seu veneno

A escritora Lillian Glass, em seu livro Pessoas Maléficas,
explica que um indivíduo venenoso afeta qualquer área
de nosso bem-estar.
De modo geral, é grosseira e insensível à dor do próximo.
Seus comentários ecoam na mente das vítimas feridas e
chegam a mutilar a psique para sempre.
Sugam a energia como um vampiro; isso acontece tanto
nos contatos físicos como através da comunicação virtual,
como sites de relacionamento.
Você até pode se autoenganar e dizer que isto

não o afeta, porém, os sintomas variam desde
dor de cabeça, náusea, febre, irritação na garganta,
comichões na pele e até falta de ar.
Alguns enfrentam letargia e depressão.

Por que existe este tipo de pessoa?


As razões são diversas: por ter um dia péssimo,
não suportá-lo, por ciúmes, para se sentir melhor
ou por ser ignorante.
Quem recebe o golpe se sente ferido e o melhor
é colocar a pessoa no seu devido lugar.
Se ela não tem consciência do sentimento dos outros
e fala o que vem à mente, sem censura,
não é possível simplesmente abaixar a cabeça
e aceitar as ofensas.
A típica frase venenosa é quando, depois de um comentário
bizarro, ela se apressa em desmenti-lo jurando que
"estava apenas brincando"; só que o estrago foi feito e
quem ouviu se sentiu esmagado por um rolo compressor.
Quem é venenoso revela o que realmente pensa e reflete

a enfermidade moral de um indivíduo.
Portanto, não se iluda: ela não vai mudar, e o melhor
a fazer é se afastar.
A lição mais importante é não ser sentimental quando
alguém joga você para baixo, pois ela tentará destruí-lo,
arrasando sua autoestima, dignidade e envenenando
sua essência.
Essa pessoa não é solidaria, mas ciumenta, invejosa e se
mostrará hostil cada vez que se sair bem em alguma coisa.

Como se livrar delas?

Você pode ser maravilhoso,
mas se estiver perto de alguém tóxico se transformará
em uma pessoa que nem mesmo você conseguirá

reconhecer, pois ela traz à tona o que há de pior em
sua essência fazendo com que aja de modo tão negativo
que mais tarde terá vergonha das suas próprias ações.
Às vezes, a pessoa precisa saber o quanto é agressiva

e isso tem que ser feito de imediato, ou seja, fazendo com
que experimente a horrível sensação de ser maltratado.
Aprendemos desde cedo que não é de bom-tom
ficar zangado ou brigar, mas às vezes somos
obrigados a isso, porque é a única maneira de
se desligar de algo ou alguém.
Tire de dentro de si as emoções que o une a este individuo
e não se preocupe mais com o que acontece na vida dele.
Você não tem obrigação de ajudar alguém que
é descortês o tempo inteiro.
Sempre existirão pessoas venenosas no mundo,

mas você tem a opção de desligar-se delas.
Diga "não" à inveja, ao ciúme, ao ódio e
não aceite ser vitima de ninguém
e sim, ser uma pessoa vencedora.


Monica Buonfiglio

!

Sempre que a ordem dos fatos acontece,
o merecimento da felicidade, torna-se uma realidade.
É o que prediz.
Claro, temos saldos positivos e negativos.
"Tudo o que você plantou, você colhe algum dia..."
A felicidade está presente quando se aprende que
a harmonia é construída com justiça e paciência.

Supressão


Em sânscrito, a palavra é ´alaya vigyan´:
a casa em cujo porão você vai juntando coisas
que gostaria de fazer, mas que não pode por causa
das condições sociais, da cultura, da civilização.
Essas coisas, porém, vão se acumulando ali, e
muito indiretamente passam a afetar
as suas ações, a sua vida.
Elas não podem encará-lo diretamente -
você as obrigou a ficar na escuridão; mas, do escuro,
elas continuam influenciando o seu comportamento.
Elas são perigosas:
é arriscado manter todas essas inibições dentro de você.
É possível que essas sejam as coisas que atingem
um clímax, quando uma pessoa enlouquece.
A loucura não é outra coisa senão
todas essas repressões chegando a um ponto
em que você já não consegue controlá-las.
A loucura, porém, é aceitável, ao passo que
a meditação não - e a meditação
é o único caminho para tornar
uma pessoa absolutamente sã.

A figura desta carta apresenta-se literalmente
"emaranhada em nós".
Sua luz ainda brilha no íntimo, mas esse personagem
reprimiu sua própria vitalidade na tentativa
de corresponder a muitas exigências e expectativas.
Abriu mão de todo o seu próprio poder e visão, em troca
de ser aceito por essas mesmas forças que o aprisionaram.
O perigo de reprimir dessa maneira a própria energia natural
é visível nas rachaduras de uma erupção vulcânica
que está para acontecer em toda a volta da figura.
A verdadeira mensagem desta carta é que é necessário
encontrar uma saída de cura para essa explosão iminente.
É essencial encontrar uma maneira de dar vazão a
qualquer tensão e estresse que possam estar
se acumulando, neste momento, dentro de você.
Soque um travesseiro, dê pulos, procure uma área deserta
e berre contra o céu vazio: qualquer coisa que possa
ativar sua energia e consiga fazê-la circular livremente.
Não espere que aconteça uma catástrofe.

Atenção...

Esteja alerta.
Sinta cada momento como se fosse o último.
E existe toda possibilidade de que esse seja
o último momento!
Assim aproveite-o o máximo.
Esprema totalmente os sucos deste momento.
Nesta totalidade você estará alerta.

As vezes è preciso morrer, para renascer na essência original...


E eu morri, um pouco a cada dia....
para poder renascer, forte!

domingo, 18 de abril de 2010

Libra... a melhor sempre...

A personalidade

Libra é um signo de ar, regido por Vênus, a deusa do amor,
da beleza e dos relacionamentos.
Toda pessoa de libra pensa muito no amor,
mas não um amor tórrido e cheio de paixão
como pensa um taurino ou escorpiano.
Amor para libra é antes de tudo algo carregado
de ideias e ideais românticos, aquilo que faz
um relacionamento perfeito.
Refinamento, requinte e classe são qualidades
importantíssimas para Libra.
Não esqueça que libra é um signo de ar e as palavras
certas têm mais peso do que um beijo apaixonado.
Libra está sempre buscando as relações entre todas
as
coisas e o desequilíbrio é algo que o deixa incomodado.
Toda pessoa de libra acredita em justiça e igualdade
em qualquer situação da vida.
Agora quando se trata de relação homem e mulher
não existe alma mais preparada do que ele
para compreender todos os sutis caminhos que
levam à harmonia e união perfeita.
Podemos encontrar Áries seu signo oposto escondido
bem por trás de tanta cortesia.
Todo libriano é um ariano bem educado, que faz de tudo,
mas claro com muita educação e refinamento,
para conseguir exatamente o que quer.
Libra tem iniciativa e necessidade de objetivos para não
se perder diante de tantas possibilidades.
Nunca peça para uma pessoa de libra escolher

entre duas coisas.
Ele se perderá em explicações e questionamentos
até conseguir fazer uma escolha sensata.
Nossos amigos librianos lutam pela ordem, harmonia e
pela paz e tem necessidade vital de relacionamentos.
Precisam se relacionar, pois quando estão sós,
sentem como se lhes faltasse um pedaço.
É o maior e mais agradável dos sedutores.
Não economiza elogios, pois tem habilidade e vocação
para enxergar a beleza da vida e das pessoas.
Para eles, a vida sempre deve possuir uma pitada
de açúcar e pinceladas de suas melhores cores.
A beleza deve estar presente em tudo.

Coloque libra em um ambiente bagunçado ou
mal cheiroso e você poderá entender o que significa
trazer seu signo oposto dentro de si.
Nosso amigo ariano aparece e dá o seu show, com
toda educação e delicadeza, é claro.
Libra odeia confusões, brigas ou mal entendidos.
Quando isso acontece ele sai devagarzinho,
sem que ninguém o perceba.
Tempestades emocionais, cobranças ciumentas e
viscerais não fazem parte de seu funcionamento.

Como seduzir uma pessoa de Libra


Não é nada difícil conquistar uma pessoa de libra.
A não ser que você seja uma pessoa ríspida
e pouco gentil.
Se você quer conquistar alguém desse signo,
seja antes de tudo polido e cordato.
Nunca mostre seu lado visceral, isso não daria certo.
Aliás, essa seria a maneira mais rápida de pedir,
polida e educadamente, para você se retirar.
Cuidado com crises histéricas, cenas de ciúmes
e demonstrações de possessividade,
isso também não daria certo.
Não se esqueça que libra é um signo de ar e
regido por Vênus e como tal preza pela boa educação
e pelas mais elevadas regras do bom comportamento.

A atração às vezes pode levar ao amor de algum predador


O dia tinha um céu muito azul, sem uma nuvem sequer.
O vento, era cortante como uma lâmina.
Um passarinho, talvez um pardal, estava a ciscar feliz
de um lado para o outro: ele saltitava, revoava
no mesmo lugar, parecia dançar sobre a grama alta
do jardim, bicando de lá e de cá, numa curiosa coreografia,
própria dos pequenos pássaros.
De repente no imenso silêncio que se fazia e
na imobilidade da cena, algo de errado:
uma paradeira estranha, um suspense, um terrível aviso
- a ave se mantinha completamente parada
sobre a grama verde.
Um enorme gato, de longos pelos negros, macios e
brilhantes, com os olhos imensos, verdes como a grama,
as pupilas finas e pontiagudas como suas próprias unhas.
Mas parecia uma longelínea estátua egípcia do que
um animal de verdade.
O passarinho o fitava bem nos olhos, duas esmeraldas
perdidas num céu noturno, sem estrelas.
A ave parecia hipnotizada e ia se aproximando

do felino aos poucos, perigosamente, numa estranha e
indefinível atração, como que capturada por aqueles olhos,
por aqueles pelos brilhando ao sol.
Nenhum dos dois se mexia.
O vento parou de soprar, as folhas não mais balançavam.
Só as penas da ave pareciam tremelicar de êxtase, de
resposta positiva ao apelo invisível do animal à sua frente.
De repente, sem aviso, o gato deu um rápido salto e

abocanhou o passarinho.
Apenas um pulo certeiro e a ave se abandonou
às suas unhas, sem nenhuma tentativa de fuga,
sem dar um pio ou sequer experimentar bater as asas.
Simplesmente se deixou ir, sem reação ou defesa,
como se estivesse esperando por isso,
desde o início do encontro.
Sendo arrastado pelo bichano, parecia estar
cumprindo seu destino.
Então, eles desapareceram, e a natureza se recompôs,
com seus sons e suas cores.
A atração, o amor que alguém nos desperta,
pode se expressar de maneira tão absoluta,
tão absurda, que acabamos por
nos comportar como o passarinho da cena.
São sentimentos incontroláveis que,
tomando conta das nossas ações,
fazem com que a noção de perigo desapareça,
e nos entregamos felizes...

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Voltando-se para Dentro

Voltar-se para dentro não é movimentar-se, absolutamente.
Ir para dentro de si não é deslocar-se.
Voltar-se para dentro simplesmente significa que você
tem estado perseguindo um desejo atrás do outro,
que esteve correndo cada vez mais,
para chegar repetidas vezes à frustração;
que cada desejo traz infelicidade, que não existe nenhum
preenchimento por meio de desejos; que você nunca chega
a lugar nenhum, que o contentamento é impossível.
Percebendo a verdade de que correr atrás de desejos
não leva a lugar nenhum, você acaba parando.
Não que você faça algum esforço para parar.
Se você fizer qualquer esforço para parar,
de uma maneira sutil você ainda estará correndo
atrás de alguma coisa novamente.
Você ainda está desejando - talvez, agora,
seja a ausência de desejo o seu desejo.
Se estiver fazendo algum esforço para
voltar-se para dentro, você ainda estará
saindo de si mesmo.
Qualquer esforço só poderá levá-lo para fora,
em direção ao exterior.
Todas as viagens são viagens para fora -
não há viagem para dentro.
Como você pode viajar para dentro de si mesmo?
Você já está ali, não faz sentido ir.
Quando o deslocar-se cessa, a viagem desaparece;
quando não há mais nenhum desejo obscurecendo
a sua mente, você está dentro.
A isso é que se chama voltar-se para dentro.
Mas não se trata absolutamente de um deslocamento,
trata-se simplesmente de não sair para fora.

Comentário:

A mulher desta figura tem no rosto um sorriso discreto.

Na verdade, ela está apenas assistindo aos malabarismos
da mente - não os está julgando, nem tentando contê-los,
tampouco está identificada - limita-se a observá-los
como se fossem o tráfego numa estrada, ou
ondulações na superfície de um lago.
E os malabarismos da mente são razoavelmente divertidos,
na medida em que eles pulam para cima e para baixo,
e viram para cá e para lá na tentativa
de atrair a sua atenção, e de seduzi-lo para entrar no jogo.
Desenvolver a capacidade de manter certo distanciamento
da mente é uma das bênçãos maiores.
De fato, esse é o grande objetivo da meditação - não ficar
entoando algum mantra, nem repetindo uma afirmação,
mas ficar simplesmente observando, como se a mente
pertencesse a alguma outra pessoa.
A essa altura, você está pronto para ter esse
distanciamento, e assistir à exibição
sem se envolver no drama.
Permita-se a liberdade singela de "Voltar-se Para Dentro"
sempre que puder, e a aptidão para a meditação
crescerá e se aprofundará em você.

Projeção de Vontades - A parábola da árvore dos desejos

Aquele que pensa é criativo com seus pensamentos -
essa é uma das verdades mais fundamentais
a ser compreendida.
Tudo aquilo que você vivencia é sua criação.
Primeiro você cria, então você a vivencia,
depois você fica preso na experiência -
porque não sabe da fonte de tudo que existe em você.

Uma vez um homem estava viajando e,
entrou acidentalmente no paraíso.
No conceito indiano de paraíso,
há árvores que realizam desejos, as Kalpatarus.
Basta sentar-se debaixo delas, desejar alguma coisa,
e imediatamente seu desejo é realizado –
não há qualquer intervalo entre o desejo e a realização.
Você pensa e imediatamente ele se torna em algo concreto:
o pensamento se realiza automaticamente.
Essas Kalpatarus nada mais são que uma simbologia
para a mente.
A mente é criativa, criativa com seus pensamentos.

O homem estava cansado, assim ele adormeceu debaixo
de uma árvore dos desejos.
Quando ele acordou, estava se sentido muito faminto,
então disse, “Gostaria de conseguir comida em algum lugar”.
E imediatamente a comida apareceu do nada –
flutuando à sua frente, uma comida deliciosa.
Ele começou a comer e, quando estava
se sentindo satisfeito, outro pensamento surgiu nele:
“Se pudesse conseguir algo para beber...”
E nada é proibido no paraíso, então imediatamente,
um precioso vinho apareceu.

Bebendo vinho, relaxando na brisa fresca do paraíso
na sombra da árvore, ele começou a imaginar:
“O que está acontecendo? Fui parar dentro de um sonho
ou há fantasmas aqui me pregando peças?”
Então apareceram fantasmas!
eram ferozes, terríveis, nauseantes.
Ele começou a tremer, e pensou:
“Agora estou certo de que vou morrer.
Esses fantasmas vão me matar”.
E ele foi morto.

Essa parábola é muito antiga, de imenso significado.
Sua mente é uma árvore dos desejos; o que você imaginar
será realizado mais cedo ou mais tarde.
Às vezes a demora é tão longa que você já esqueceu
completamente que havia desejado algo tempos atrás.
Algumas vezes a demora é de alguns anos,
ou de algumas vidas, então você não consegue
perceber a fonte.
No entanto, se você olhar bem fundo, irá descobrir
que seus desejos estão criando você e sua vida.
Eles criam seu inferno, criam ser paraíso.
Criam sua miséria, criam sua felicidade.
Criam o negativo e o positivo.
Todos vocês são mágicos, girando e tecendo
num mundo mágico em volta de si mesmos,
e depois ficando presos nisso –
a aranha presa na própria teia.

Uma vez que isso tenha sido compreendido,
as coisas começam a mudar.
Então você pode brincar:
você pode transformar seu inferno num paraíso,
é apenas uma questão de desenhá-lo a partir
de uma visão diferente.
Ou se você estiver realmente apaixonado
pela infelicidade, pode criar mais e mais,
até que seu coração fique cheio dela.
Mas assim, você nunca irá se queixar, porque sabe
que é sua própria criação, é sua pintura,
você não pode fazer com que ninguém
se sinta responsável por isso.
Então toda a responsabilidade é sua.

Surge então uma nova possibilidade:
você pode deixar de criar o mundo, pode parar com isso.
Não é necessário criar o paraíso e o inferno,
não há necessidade alguma de criar.
Aquele que cria pode ir relaxar, repousar.
Esse repouso da mente é a meditação.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

O Coração Tolo - A louca sabedoria de Franscisco de Assis

O coração tem razões que a mente desconhece.
O coração tem sua própria dimensão de ser,
que é completamente oculta para a mente.
O coração é mais elevado e mais profundo
do que a mente, está além do alcance dela.
Isso parece bobagem.
O amor sempre parece bobo porque não é utilitário.
A Mente é utilitária.
Para ela, todas as coisas têm algum propósito -
esse é o sentido de ser utilitária.
Mente é resoluta, orientada para um fim;
ela transforma tudo em um meio, e o amor não pode
ser transformado em um meio, esse é o problema.
O amor em si mesmo é a meta.


Tolos possuem uma sabedoria sutíl neles,
e os sábios agem como tolos.
Antigamente, todos os imperadores tinham
um bobo da corte.
Também tinham sábios, conselheiros, ministros
e primeiro ministros, mas sempre mantinham
um bobo na corte. Porque?
– porque existem coisas que os assim chamados
sábios não serão capazes de entender,
coisas que somente um bobo pode entender
– isso porque aqueles que se dizem sábios são tão tolos
que a esperteza e inteligência deles fecham suas mentes.
Um bobo da corte é tolo, e eles eram necessários porque
há coisas que os sábios não diriam por medo do imperador.
Um tolo não tem medo de ninguém,
irá falar não importa as consequências.
É assim que os tolos agem, de forma simples,
sem pensar qual será o resultado.
Um homem sensato sempre pondera o resultado, depois age.
O pensamento vem primeiro, depois a ação;
um homem tolo age, o pensamento nunca vem antes.
Sempre que alguém realiza o supremo,
ele não é como seus sábios.
Ele não pode ser.
Pode ser como seus bobos, mas não como seus sábios.
Quando São Francisco tornou-se iluminado
ele costumava chamar a si mesmo de “Bobo de Deus.”
O papa era um sábio, e quando São Francisco foi vê-lo
mesmo o papa achou que esse homem havia enlouquecido.
Ele era inteligente, calculista, esperto, do contrário
como teria se tornado papa?
Para tornar-se um papa é preciso ser muito hábil na política.
Para tornar-se um papa diplomacia é necessária,
uma competição agressiva é necessário para
deixar para trás os oponentes, para usar os outros
como escada e depois derrubá-los.
Tudo isso é política... pois o papa é um líder político.
A religião é secundária, ou absolutamente nada.
Como pode um homem religioso lutar
e ser agressivo por um posto?
Eles são somente políticos.
São Francisco veio falar com o papa, e o papa achou
que esse homem era um tolo.
Mas as árvores, os pássaros e os peixes
pensavam de maneira diferente.
Quando São Francisco ia até o rio os peixes

saltavam em celebração por sua vinda.
Milhares de pessoas presenciaram esse fenômeno –
milhões de peixes saltavam simultaneamente; todo o rio
ficava tomado por peixes que saltavam simultaneamente.
São Francisco havia chegado e os peixes estavam felizes.
E aonde quer que ele fosse os pássaros o seguiam
e vinham pousar na perna dele, em seu colo.
Eles entendiam esse tolo melhor do que o papa.
Até mesmo árvores que tinham secado e
estavam morrendo voltavam a verdejar e
a florescer novamente se São Francisco chegasse perto.
As árvores compreendiam que esse tolo
não era um bobo qualquer;
ele era o "bobo de Deus".

Léo e Bia


No centro de um planalto vazio
Como se fosse em qualquer lugar
Como se a vida fosse um perigo
Como se houvesse faca no ar
Como se fosse urgente e preciso
Como é preciso desabafar
Qualquer maneira de amar varia
E Léo e Bia souberam amar
Como se não fosse tão longe
Brasília de Belém do Pará
Como castelos nascem dos sonhos
Pra no real, achar seu lugar
Como se faz com todo cuidado
A pipa que precisa voar
Cuidar de amor exige mestria

E Léo e Bia souberam amar


Oswaldo Montenegro

terça-feira, 13 de abril de 2010

Dizem por aí:
"Vou cuidar da minha saúde,
pois da minha vida os outros cuidam."
...mas, se algumas pessoas não sabem
cuidar nem da própria vida,
como cuidarão da minha?

Possibilidades


A mente pode aceitar fronteiras em qualquer lugar.
A verdade, porém, é que, por sua própria natureza,
a existência não pode aceitar fronteiras de espécie alguma,
pois o que haverá do outro lado do muro?
Céu e novamente um outro céu.
Por isso é que estou dizendo que céus sobre céus
estão disponíveis para o seu vôo.
Não se contente facilmente.
Os que se contentam com pouco

permanecem pequenos: pequenas são as suas alegrias,
pequenos são os seus êxtases, pequenos são
os seus silêncios, pequeno é o seu ser.
Mas não há necessidade disso!
Essa pequenez é uma imposição que você mesmo faz
à sua liberdade, às suas possibilidades ilimitadas,
ao seu potencial sem limites.

Comentário:

A águia tem uma visão panorâmica de todas

as possibilidades existentes na paisagem lá embaixo,
enquanto voa livremente pelo céu, com naturalidade e
sem qualquer esforço.
Ela está realmente no seu domínio, majestosa
e senhora de si.
Esta carta indica que você se encontra num ponto
em que um mundo de possibilidades lhe é oferecido.
Por ter desenvolvido mais amor para consigo mesmo,
por estar mais pleno de si mesmo,
você consegue trabalhar facilmente com os outros.
Por estar relaxado e à vontade, você é capaz de reconhecer
possibilidades à medida que elas se apresentam,
algumas vezes até antes que outros as consigam perceber.
Por estar em sintonia com a sua própria natureza,
você compreende que a existência lhe está proporcionando
exatamente aquilo de que você precisa.
Aproveite o vôo!
E celebre todas as variadas maravilhas
da paisagem aberta diante de seus olhos.
Não há situação que não contenha uma lição,
nenhuma situação.
Todas as situações possuem um potencial,
mas você precisa descobrir qual é;
este pode não ser aparente na superfície.
Você precisará estar atento,
deverá examinar todos os aspectos da situação.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Conclusão


Este é o jeito Zen: não dizer as coisas até o fim.
Isso precisa ser compreendido,
pois é uma metodologia muito importante.
Não dizer tudo significa dar uma oportunidade
para que o ouvinte complete o que está sendo dito.
Todas as respostas vêm incompletas.
O mestre só lhe terá dado uma direção...
No momento em que você chegar ao limite,
você saberá o que irá permanecer.
Sendo assim, se alguém estiver tentando
compreender o Zen intelectualmente, irá fracassar.
Não se trata de uma resposta para uma pergunta,
mas de algo maior do que a resposta.
Trata-se da indicação da própria realidade...
A natureza do buda não é coisa muito distante:
a sua própria consciência é natureza de buda.
E a sua consciência é capaz de testemunhar
as coisas que constituem o mundo.
O mundo chegará a um fim, mas
o espelho permanecerá, espelhando o nada.

Aqui, a última peça de um quebra-cabeça está
sendo colocada em seu lugar:
a posição do terceiro olho, o lugar da percepção interior.
Mesmo no fluxo sempre mutável da vida,
há instantes em que chegamos

a um ponto de completude.
Nesses momentos, somos capazes de apreender
o quadro completo, o conjunto de todas as pequenas peças
que ocuparam por tanto tempo a nossa atenção.
No momento da conclusão, podemos tanto
nos sentir em desespero - porque não queremos
que aquela situação chegue a um fim -,
como podemos nos sentir agradecidos
e receptivos ao fato de que a vida
é cheia de conclusões e de novos começos.
O que quer que tenha estado absorvendo o seu tempo
e sua energia, agora está chegando ao fim.
Ao concluir isso, você estará criando condições
para que alguma coisa nova possa começar.
Use essa pausa momentânea para

celebrar ambas as coisas:
o encerramento do velho e a chegada do novo.

Aquilo Que Nunca Morre

Lembre-se, a cada momento,
o que você está acumulando
- se trata de algo que vai ser tirado pela morte?
Se for, então não vale a pena se incomodar com isso.
Se isso não vai ser tirado pela morte, então até mesmo
a vida pode ser sacrificada por isso porque mais cedo
ou mais tarde a vida vai desaparecer.
Antes que a vida desapareça, aproveite a oportunidade
para encontrar aquilo que nunca morre.

domingo, 11 de abril de 2010

Integração


O conflito está no homem.
A menos que seja resolvido ali, não poderá
ser resolvido em nenhum outro lugar.
O desafio político está dentro de você;
ele acontece entre as duas partes da mente.
Há uma ponte muito pequena.
Se essa ligação for rompida por algum acidente,
por algum defeito fisiológico ou por alguma outra razão,
a pessoa fica dividida: ela se tornará duas pessoas -
e o fenômeno da esquizofrenia ou personalidade dividida,
se manifestará.
Se a ponte for rompida - e é uma ponte muito frágil -,
então você se transformará em dois,
passará a agir como duas pessoas.
Pela manhã, você é muito amável, uma pessoa encantadora;
à tarde, está muito bravo, completamente diferente.
Você não irá lembrar-se de como foi de manhã...
e como poderia lembrar-se?
Era uma outra mente que estava funcionando -
e a pessoa se transforma em duas pessoas.
Se essa ponte for fortalecida o bastante para que
as duas mentes deixem de ser duas e se tornem uma só,
então acontecerá a integração, a cristalização.
Aquilo que George Gurdjieff costumava chamar
de cristalização do ser é apenas a transformação
dessas duas mentes em uma só, o encontro
do masculino e do feminino dentro de nós,
o encontro do yin e do yang,
o encontro do esquerdo com o direito,
o encontro da lógica com o ilógico,
o encontro de Platão com Aristóteles.

Comentário:

A imagem da integração é a união mística,

a fusão dos opostos.
Este é um momento de comunicação entre dualidades

da vida, anteriormente vivenciadas.
Ao invés da noite opondo-se ao dia, a escuridão suprimindo

a luz, as polaridades estarão trabalhando juntas para criar
um todo unificado, transformando-se ininterruptamente
uma na outra, cada qual contendo a semente
do seu oposto no seu âmago mais profundo.
A águia e o cisne são ambos seres alados e majestosos.
A águia é a encarnação do poder e da solitude.
O cisne é a corporificação do espaço e da pureza,

flutuando e mergulhando com suavidade
no elemento das emoções, totalmente satisfeito e
realizado em sua perfeição e beleza.
Nós somos a união da águia com o cisne:

macho e fêmea, fogo e água, vida e morte.
A carta da integração é o símbolo da autocriação,
da vida nova e da união mística,
conhecida também como alquimia.

Os Portais do Paraíso

Paraíso e inferno não são locais geográficos,
são psicológicos, são a sua psicologia.
Paraíso e inferno não estão no final de sua vida,
estão aqui e agora.
A cada momento as portas se abrem, a todo momento
você fica ondulando entre o paraíso e o inferno.
É uma questão de momento-a-momento, é urgente,
em um único momento você pode mover-se
do inferno para o paraíso, do paraíso para o inferno.
Ambos estão dentro de você.
As portões estão bem próximos um do outro:
com a mão direita você pode abrir um,
com a mão esquerda você pode abrir o outro.
Basta uma simples mudança na sua mente,
seu ser se transforma.
Do paraíso para o inferno e do inferno para o paraíso.
Sempre que você age inconscientemente,

sem percepção, está no inferno.
Sempre que você está consciente, quando você age
com plena atenção, está no paraíso.

sábado, 10 de abril de 2010

Brincadeira


No momento em que você começa a enxergar a vida
como uma coisa não-séria, como uma brincadeira,
toda a pressão sobre o seu coração desaparece.
Todo o medo da morte, da vida, do amor -
tudo desaparece.
A pessoa começa a se sentir muito leve,
ou quase sem peso nenhum.
Tão leve ela se torna, que é capaz

de voar no céu aberto.
A maior contribuição do Zen é oferecer-lhe

uma alternativa à postura de homem sério.
O homem sério fez o mundo,
o homem sério inventou todas as religiões.
Ele criou todas as filosofias, todas as culturas,
todas as moralidades; tudo o que existe à sua volta
é uma criação do homem sério.
O Zen excluiu-se do mundo sério.
Criou um mundo próprio muito divertido,

cheio de risos, no qual até os
grandes mestres se comportam como crianças.

Comentário:


A vida raramente é tão séria quanto acreditamos

que seja, e quando reconhecemos este fato,
ela responde oferecendo-nos cada vez mais
oportunidades para brincar.
A mulher desta carta está celebrando

a alegria de estar viva, como uma borboleta que
emergiu da sua crisálida para as promessas da luz.
Ela nos faz lembrar do tempo em que éramos crianças,
encontrando conchas na praia ou construindo

castelos na areia, sem nenhuma preocupação
com ondas que pudessem vir e desmanchá-los
no momento seguinte.
Ela sabe que a vida é um jogo, e está desempenhando
neste momento o papel de um palhaço, sem nenhum
constrangimento ou pretensão.
Quando o Valete do Fogo entra em sua vida,

é um sinal de que você está preparado
para receber o novo.
Alguma coisa maravilhosa está despontando

no horizonte, e você tem exatamente
a qualidade da inocência feliz e da lucidez,
para recepcioná-la de braços abertos.

Não-Mente

O estado da não-mente é o estado do divino.
Deus não é um pensamento mas a experiência
de estar sem pensamentos.
Ele não é um conteúdo na mente; ele é a explosão
quando a mente fica sem conteúdo.
Este não é um objeto que você possa ver;
é a própria capacidade de ver.
Não é o que é visto senão aquele que vê.
Ele não é como as nuvens que se jutam no céu,
mas o próprio céu quando não há nenhuma nuvem.
Ele é esse céu vazio.

Quando a consciência não estiver indo
para algum objeto externo,
quando não houver nada para ver,
nada para pensar, somente vacuidade ao redor,
assim você recai em si mesmo.
Não há para onde ir -
a pessoa relaxa na própria fonte do ser,
e essa fonte é Deus.
Seu ser interior é simplesmente o céu interior.
O céu é vazio, mas é esse céu vazio
que contém todas as coisas,
toda a existência, o Sol, a Lua, as estrelas,
a Terra, os planetas.
É o céu vazio que dá espaço para tudo que é.
É esse céu vazio que é a base de tudo que existe.
Coisas vêm e vão e o céu permanece o mesmo.
Exatamente da mesma maneira, você tem um céu interior;
esse também é vazio.
Nuvens vêm e vão, planetas nascem e desaparecem,
estrelas surgem e morrem,
e o céu interior permanece o mesmo, intocado, imaculado.
Chamamos esse céu interior de sakshin, a testemunha –
e esse é todo o objetivo da meditação.
Vá para dentro, desfrute o céu interior.
Lembre-se, o que quer que você possa ver, você não é isso.
Se puder ver pensamentos, então você não é pensamento;
se puder ver seus sentimentos, então você não é
seus sentimentos; se puder ver seus sonhos,
desejos, memórias, imaginações, projeções,
então você não é nenhum deles.
Prossiga eliminando tudo que você possa ver.
Desse modo, um dia, o momento especial chega,
o momento mais significante na vida de uma pessoa,
quando nada resta para ser rejeitado.
Tudo que foi visto desaparece e
somente aquele que vê está ali.
Este observador é o céu vazio.
Conhecer isso é não ter o que temer,
e conhecer isso é estar repleto de amor.
Conhecer isso é ser Deus, é ser imortal.